Gênio Criador

 Voltar
Espanhol usa lixo urbano para produzir arte

Por Danilo Moreira

A criatividade é um pássaro livre. Qualquer objeto pode ganhar evidência, transformar um contexto e ser utilizado para uma nova proposta ou forma de expressão. Ainda que uma sociedade possa seguir padrões rígidos ou possua visões estéticas restritas, o processo criativo pode contestar e até romper essas barreiras, e com isso, tentar modificar o ambiente ao seu redor.

O artista espanhol Francisco de Pájaro sabe bem disso. Ele utiliza o lixo urbano acumulado nas ruas para produzir obras de arte. A ideia começou há sete anos quando morava em Barcelona. A cidade passou a proibir intervenções artísticas nos muros e equipamentos urbanos. Com isso, passou a juntar sacos e caixas de lixo espalhados nas ruas. Entraram tintas, papelão, mobílias e outros objetos descartados. O resultado é uma série de criaturas curiosas que geram um incomodo visual proposital para quem anda pelos locais. A intenção é criticar o modelo de consumo e descarte na sociedade atual.

Seu projeto mais conhecido é El Arte es Basura (A arte é lixo), que nasceu em 2009 e possui diversos registros em fotos e vídeos. Pájaro (que quer dizer “pássaro” em espanhol) costuma improvisar bastante nas criações. As cores vivas e as formas chamativas não passam despercebidas. A impressão passada ao espectador é que o próprio homem se tornou descartável no meio de todo o entulho que produziu.

As figuras são carregadas de sensibilidade, frustração e críticas diretas ao poder e às mazelas da sociedade. Em entrevista ao Urbanrules BCN, blog espanhol sobre atrações culturais de Barcelona, Pájaro conta o que o inspira na hora da criação: “Em geral eu odeio ser humano arrogante. Não é só a arrogância do poder. [...] Gente culturalmente preguiçosa e mesquinha também é um dejeto humano. Pessoas que se ostentam às custas dos desfavorecidos são o lixo de hoje. Eu faço parte de toda essa imundice. Eu pinto a mim mesmo como o maior lixo, por conta dos meus defeitos”.

O que chama a atenção é a efemeridade das obras. Muitas delas chegam a durar cerca de cinco minutos, já que logo são desmontadas e descartadas pelos coletores de lixo. Em alguns casos, a rapidez dos caminhões é tanta que o artista já teve que negociar para dar tempo de concluir e fazer registros dos trabalhos. Em um dos vídeos no seu canal no Youtube, garis rasgam em poucos minutos um punhado de caixas de papelão coloridas, as amassam e jogam no triturador do caminhão. As produções também se tornaram alvo das vítimas da crise espanhola, que vasculham as ruas em busca de materiais que possam utilizar ou vender, como televisores e móveis velhos. Apesar da tristeza que as cenas geram, Pájaro as considera uma metáfora adequada para a proposta das criações. “A rua é um termômetro para saber como anda a cidadania”, explica.

O espanhol possui uma trajetória parecida com a de muitos artistas pelo mundo, que buscam expressar suas angústias e críticas em uma intensa busca estética e fora dos padrões consolidados. Porém, os custos com a falta de incentivos prejudicam a criação. “Senti um acúmulo de raiva e frustração comigo mesmo. Me culpava pelos trabalhos que fazia e pelas galerias que me fecharam as portas. Descobrir a arte no lixo das ruas ajudou a me encontrar como um artista”, desabafa.

Após encontrar no lixo de Barcelona uma alternativa para sua comunicação artística, o espanhol passou a produzir obras semelhantes em outras cidades como Madrid, Berlim, Ibiza e Londres, onde mora atualmente. Seu trabalho tem despertado a atenção de artistas e instituições e por isso até hoje continua produzindo diversos projetos. Um dos mais recentes é a exposição Police & Horse, na capital inglesa, exibida em agosto, na London West Bank Gallery.

O autor mantém um blog com fotos de seus trabalhos. Para acessá-lo, clique aqui. A entrevista completa em espanhol você pode conferir no Blogzine Urbanrules BCN, clicando aqui.

E para encerrar, postamos um vídeo mostrando o processo de criação de uma suas das obras e o seu destino. É uma excelente e impactante reflexão sobre o mundo atual e seus valores descartáveis.

Fontes:

Catraca Livre
Blogzine Urbanrules BCN
Mistura Urbana
Digital Journal

Vídeos





 Voltar